Gravação e confecção de CD físico

Conceitos de gravação de CDs, composições de letras e melodias, o passo a passo de um trabalho minucioso



Estamos em pleno século XXI e no mundo da música dúvidas surgem com as mudanças do século, lançar ou não lançar um CD físico? Já que as plataformas de streaming estão ganhando mais força. E no Brasil, quem tem se sobressaído é o Spotify, que é o player número um entre os usurários, seguido pelo Deezer e Soundcloud. Na Europa, a marca já é a segunda maior renda no mercado da música, o que mostra que as pessoas realmente estão ouvindo música pelos players e deixando de lado essa coisa de comprar um CD físico na loja, certo? Mas se o público não está mais comprando discos como antes, na verdade, bem antes, com aquela mania de baixar discos que inundou os anos 2000, uma banda ainda precisa se preocupar em fazer um disco físico?

A verdade é que mesmo que o público não compre mais tantos discos como antes, pelo menos para o mercado ainda é muito importante tê-los. Jornalistas, muitos produtores e curadores ainda escolhem artistas baseados no que foi lançado e o disco físico mostra certo comprometimento com a sua obra e carreira. 


Com o advento da internet, os artistas, selos, gravadoras tentaram se adequar a agilidade que ela traz, uma dessas tentativas é lançar um single. Muitas vezes um single solto, sem ter relação nenhuma com um futuro EP ou um álbum cheio. A ideia, que é bem antiga na verdade, serviu para que artistas chamassem atenção para o seu trabalho. Será que hoje este formato de singles e EPs são mais vantajosos para os artistas se manterem na mídia e mercado?


O EP é algo intermediário. Cada um desses formatos tem um porquê. Na hora de se optar por qual lançar, acredito que a banda tem que saber se aquilo é um single ou é indicado para um álbum. Hoje, no meio digital, singles e EPs funcionam muito bem. São produzidos mais rapidamente que um álbum. É uma forma de ir alimentando um público acostumado com a velocidade de maneira mais ágil. Ao mesmo tempo, álbuns também são importantes. São trabalhos de maior fôlego. Costumam ser mais elaborados artisticamente. Possuem um conceito. E atendem uma demanda de um público sedento por aquilo. Hoje em dia, as fronteiras entre álbum, EP e single são mais tênues.

A produção e o lançamento de um disco se feitos da forma correta despendem muito tempo e dinheiro do artista. O tempo geralmente é gasto na parte da composição de uma obra completa como é um disco; além das músicas tem toda a parte conceitual que costuma exigir um período de gestação. Também se gasta tempo na criação de relações de trabalho e bons parceiros que possam desenvolver a arte visual que acompanhará a obra e a forma como será divulgado, se será lançado por um selo ou totalmente independente. A parte do dinheiro geralmente é gasto na gravação do disco, assessoria de imprensa e produção de videoclipes (que idealmente seriam de 2 a 3 por disco). Às vezes por falta de dinheiro e por consequentemente não conseguir traçar um planejamento que mantenha a notícia no ar por mais tempo, valha mais a pena para o artista lançar singles e EPs que exigem menos esforço e talvez possam alcançar a mesma repercussão que um CD lançado sem o investimento necessário para que a notícia reverbere. Mas com certeza conta bastante para o portfólio do artista o número de álbuns lançados na carreira e o aprendizado que isto acarreta.
Apesar das vendas de música digital aumentarem anualmente, uma grande porcentagem dos compradores ainda preferem comprar produtos físicos e tangíveis.

No passado, só havia um jeito de lançar um CD. Gasta-se meses ou até anos, escrevendo e gravando um álbum. Mesmo na era digital, esse processo de preto no branco ainda é a normal, mas há mais e mais músicos fugindo desse modelo e experimentando novas estratégias. Não precisa da equipe de marketing de uma grande gravadora por trás do seu trabalho para fazer um lançamento criativo de álbum por você mesmo.
Vamos dar uma olhada em estratégias diferentes e como pode colocar elas em prática.

1. Lançamento Eterno
Esta estratégia realmente destrói a noção de lançamento de disco, porque, basicamente, não existe álbum. Em vez disso, você encurta o ciclo do álbum para uma música apenas e lança uma vez por mês, uma vez a cada dois meses ou na frequência que conseguir, sem comprometer a qualidade do som.
2. Vários Singles
Todos nós conhecemos a estratégia do single. Você lança uma canção antes do CD para deixar as pessoas animadas. Entretanto, cada vez mais músicos estão juntando o lançamento de um single ao de outro e estendendo essa tática.
A ideia é lançar faixas em intervalos regulares antes de um álbum estar pronto para ser lançado. Isso pode ser uma por semana, uma a cada quinzena ou o ritmo que funcionar melhor.
3. Lançamentos Secretos
O lançamento secreto virou uma lenda quando Beyoncé soltou de repente, em dezembro de 2013, um disco com seu próprio nome no iTunes sem antecipação criada com a imprensa ou mesmo tweets. Porém optar por um álbum lançado em segredo, corre o risco de ninguém nunca descobrir sobre ele.
4. Exclusividade
Prévias exclusivas e lançamentos de álbuns ficaram muito populares nos últimos anos. Não precisa ter um desenvolvedor de aplicativos ou um patrocínio gigante para fazer um preview. Pode dar às pessoas um mailing um tostão de como será a música ou álbum novo. É só criar uma página secreta é lá colocar um player de streaming player. Outras ferramentas, tipo Patreon, permitem que você lance conteúdos que só as pessoas que apoiam financeiramente vão poder ver, o que é um ótimo jeito de garantir exclusividade.
5. Preview
Essa estratégia parte do conceito de single, mas pode ser realmente criativo aqui. Em vez de lançar um álbum inteiro no formato de singles, dar aos fãs um adiantamento das letras, das artes da capinha, do instrumental ou mesmo só das ideias gerais do álbum. O Coldplay colocou seus fãs numa caçada a letras de músicas manuscritas, que eles tinham deixado em bibliotecas públicas ao redor do mundo. Os Wild Feathers colocou seu CD para vender antes em seus shows, uma semana antes de colocar ele em mercado. Além disso, todos os álbuns vendidos vinham com dois CDs, um para eles e outro para darem a amigos. Ao vender seu CD antes, eles estão focando nos fãs mais fieis, aqueles que não conseguiriam esperar para ter o CD em mãos. Essas são as pessoas que também tendem a compartilhar mais a música deles. Dar um CD a mais a eles é dar poder de compartilhar seu projeto.


Peculiar, complexo, um tanto trabalhoso, mas extremamente prazeroso!

Dia 9 de junho desse ano, a Banda Padresitos, adota a antiga estratégia, e lança disco físico, álbum intitulado "Gesto Sincero".