Diego Bif

GUITARRA/GAITA

O Rock instrumental no Brasil tem seu representante, e este atende pelo nome de Diego Bif, nascido na cidade de Campo Mourão/PR em Outubro de 1983, seu primeiro contato com a música se deu em meados de 1994, aos 11 anos sendo presenteado com um violão Giannini série estudo Gwne 1994, de seu amado padrinho Raimundo, que guarda até os dias de hoje. 

Anos mais tarde veio ajudar a superar um acidente que cortou todos os ligamentos da sua mão esquerda aos 7 anos, perdendo a mobilidade, que segundo os médicos, se houvesse recuperação, os movimentos não seriam capazes de datilografar ou até mesmo tocar um instrumento de cordas. O guitarrista viu-se por diversas vezes privado de seu contato com o violão, depois de longos períodos de fisioterapia, não desistindo da carreira musical, fez e faz muito esforço para continuar tocando, uma vez que, devido à dificuldade de coordenação dos movimentos de seus dedos. Mas como inspiração em Tony Iommi, guitarrista do Black Sabbath, que teve a ponta do dedo médio e anelar da mão direita decepado. O músico acreditou ter acabado ali os sonhos de seguir uma carreira musical, mas não desistiu. 

Diego, chegou na cidade de Criciúma em 1995, onde foi matriculado no seminário Rogacionista Pio XII, lá a paixão pela música aumentou, tocando no grupo musical do internato em formato de banda, animando missas e casamentos, dividia microfone como backing vocal com Messias Fernandes, amadurecendo a habilidade com o violão, criam a então Banda Padresitos. 

Tirando da gaveta composições de suas viagens sonoras e poéticas, em 2004 surge as gravações de suas canções para sorte dos amantes do rock. Como todo musico sempre almeja o instrumento desejado, em 2016 toma posse de uma guitarra Fender Americana Surfgreen, e já que a guitarra é um instrumento emblemático, carrega consigo muita mudança, muitas gerações que se transformam através desse instrumento. Somente em 2010 teve seu primeiro contato com a harmônica de boca, do qual cercou-se do mesmo sentido casual e despreocupado com que todo menino procurava as melodias conhecidas no despretensioso instrumento e que hoje traz como diferencial à Padresitos. 

A receita é única: inspiração, intuição, talento, elegância nas composições. Com uma estrutura sonora única, Diego traz em suas músicas texturas densas, contrastes bem criados, leveza clara da gaita, peso encorpado brilhante da guitarra. Aletrado a isso: carisma, profissionalismo e dedicação.